Área rural em Porto Alegre

O que a extinção da área rural em Porto Alegre, anos atrás, trouxe para o seu território ? Áreas intocadas, de natureza exuberante, que poderiam ser utilizadas para a conservação da natureza, turismo rural ou mesmo produção de alimentos foram destruídas para dar lugar a condomínios residenciais mesmo em lugares distantes do centro e microcentros urbanos. Agora, com o retorno da área rural em área menor, bem menor do que era, o que se espera?

Neste meio tempo, o Município de Porto Alegre entregou à Secretaria do Planejamento a corretores de imóveis ou vinculados à construtoras ? – caminho a explorar na matéria.

As aprovações de determinados projetos pelo Conselho do Plano Diretor (tenha o nome que tiver) foram sob a alcunha de ‘especial’ fazendo com que fugissem de regras de ocupação previamente estabelecidas ?? – outro caminho.

E as empresas que financiaram campanhas políticas de candidatos a Prefeitos e Vereadores tem a ver com interesses no ramo imobiliário ?

Área Ambiental – um dos trunfos do governo que sai

Depois de envolvimento em acusações de falcatruas, a área ambiental do Governo do RS foi reerguida com a participação do técnico Nilvo Silva na presidência da FEPAM, apesar do outro grande ‘ator’ na área, o Secretário do Meio Ambiente, colaborar para seguidos passos para atrás na convivência democrática com a sociedade organizada…Até parece, claro, que o Governador Tarso Herz Genro jogou maquiavelicamente colocando uma pessoa altamente capacitada na FEPAM e outra, preparada para o joguete da má política, no outro…como numa gangorra….

Uma pauta para se explorar, sem dúvida.

Escada de concreto segurada por madeira em prédio novo da UFRGS

Prédio construído pela UFRGS no Campus Central apenas para suprir a falta de salas de aula, e recém-inaugurado, mantém uma escada de concreto apoiada em madeira e apresenta rachaduras.

O portal Terra, certamente atendendo a reclamações dos alunos que vão ali estudar, fez uma excelente matéria dia 11/6/2014 .

Fica a dica para empresas ´concorrentes´. Continuar lendo

Educação em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul

De 1988 para cá, com a universalização do acesso à educação, as escolas públicas mudaram para ainda pior. No Município de Porto Alegre, embora o aluno receba NA, de ´sem aproveitamento´, a SMED vai lá e colocaria ´Aprovado´. Os pais não entendem. No Estado do Rio Grande do Sul, os professores vão ao Conselho de Classe e este OBRIGARIA os professores a mudarem as suas notas. Tudo a confirmar por uma boa reportagem. 

Climatização & licitação para o transporte público

(9/2/2014)

FATO

A grande chance do hemisfério sul e do Brasil, especificamente, investir em novas (ou recuperação de antigas) tecnologias de climatização nas edificações e em transportes públicos se dá agora – o sul do Brasil nunca viu tanto calor.

SUGESTÕES

Editorias jornalísticas poderiam investir em:

– Como os antigos tratavam do calor do ambiente nas construções – (afinal, vento quente sai por cima…será ??? hoje em dia as nossas construções sabem disso ?). Dificilmente há referência a construções e cidades ecologicamente corretas no nosso noticiário ( o que se vê muito são iniciativas que se auto-rotulam de ‘ecológicas’….como, por exemplo, um edifício de 20 andares pode ser ‘ecológico’ ? como uma escola construída sem previsão de ventilação natural pode ser considerada como ‘ecológica’  ou, no linguajar da moda ser ‘sustentável’?

– Pesquisas na Academia sobre bioconstruções

– Em Porto Alegre, haverá licitação (finalmente, depois de décadas) para o transporte público – não será a oportunidade para investir-se em transportes ecologicamente saudáveis e que consumam pouca energia, pesquisando-se modelos novos no mundo inteiro ? A licitação para uma cidade do tamanho de Porto Alegre, no mundo inteiro é um fato raríssimo – há milhões de dólares envolvidos -. Algum jornalista poliglota, que conte com facilidade em comunicação em inglês poderia pesquisar a respeito e trazer notícias a respeito.  Na UFRGS, há o NORIE, aonde trabalha o Engenheiro Civil e Agrônomo, Doutor com Pós-Doutorado, Professor Miguel Aloysio Sattler. O Engenheiro Juan Mascaró, vinculado à FAU – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS, que, junto com a esposa, Profa. Lúcia Mascaró, produziu dezenas de pesquisas (a maior parte disponível em livros) sobre edificações.

Sem ônibus em Porto Alegre: carona

(5/2/2014)

– Fato

Dez dias já sem ônibus para transporte público em Porto Alegre. 

– Questões

Porque não explorar a possibilidade de institucionalizar o mais possível a carona ? Há programas na internet para isso ? Quais os critérios para dar carona ? Como divulgar internamente na instituição o roteiro e horário da carona ? Como ter confiança no caroneiro ou na carona?  O caroneiro pega o vivente em casa ou em algum ponto pré-fixado ?

– Sugestões:

– Projeto Carona Brasil

–  Transporte Solidário

– “Transporte solidário” no Google

Possíveis fontes: